Home Destaque Adolescente que feriu colega em escola de Passo Fundo diz que sofria bullying e que está arrependida

Adolescente que feriu colega em escola de Passo Fundo diz que sofria bullying e que está arrependida

5 Primeira leitura
Comentários desativados em Adolescente que feriu colega em escola de Passo Fundo diz que sofria bullying e que está arrependida
0
89

Duas facas foram encontradas na mochila da jovem, além da que teria sido usada — Foto: Reprodução/RBS TV

Jovem de 16 anos foi até a delegacia nesta terça-feira (6), prestou depoimento e foi liberada. Polícia continua ouvindo testemunhas para concluir a investigação.

A adolescente de 16 anos, investigada por ferir um colega de 17 com uma faca dentro de uma escola de Passo Fundo, no Norte do Rio Grande do Sul, foi ouvida pela polícia nesta terça-feira (6). Ela foi até a delegacia acompanhada da mãe e de um advogado, e se disse arrependida. O caso aconteceu na tarde do dia 1º de novembro.

“Ela sofreu bullying e ameaça da vítima, o que levou ela a cometer isso. A opção sexual dela, ela é criticada por ele. O que a levou a fazer isso foi o medo dele, das ameaças”, disse o advogado Jabs Paim Bandeira.

Adolescente alegou que feriu colega porque sofria bullying e se sentia ameaçada — Foto: Reprodução/RBS TVAdolescente alegou que feriu colega porque sofria bullying e se sentia ameaçada — Foto: Reprodução/RBS TV

Adolescente alegou que feriu colega porque sofria bullying e se sentia ameaçada — Foto: Reprodução/RBS TV

O depoimento da jovem durou cerca de uma hora. Depois, ela foi liberada. A investigação continua. Mais testemunhas serão ouvidas na Delegacia de Homicídios.

O caso é tratado como tentativa de homicídio. O Conselho Tutelar e a Coordenadoria Regional de Educação acompanham.

Na tarde de segunda (5), o estudante ferido prestou depoimento. Ele foi atingido por oito facadas. Segundo a polícia, ele disse que a intenção da colega era ferir outros alunos. De acordo com a mãe do menino, o filho se tornou alvo por se negar a ajudar a adolescente.

“Simplesmente por ouvir um não. ‘Eu não vou compactuar contigo.’ ‘Eu não vou massacrar ninguém.’ ‘Não vou exterminar ninguém. Eu não mato inocente'”, relatou a mãe, que tem a identidade preservada.

“Na mesma escola eles não vão mais estudar. Eu não sei qual é o interesse, qual o… pois já é uma menina violenta. Então não tem como estudar junto. Não deixo mais ali”, acrescenta o pai.

A adolescente, em seu depoimento, negou que teria intenção de atacar outros colegas.

O Instituto Estadual Cecy Leite Costa, onde aconteceu a agressão, é uma das maiores escolas estaduais da cidade. A professora havia saído da sala de aula para buscar material para a turma e, quando voltou, se deparou com o aluno ferido e caído no chão. A menina já não estava mais no local.

Além da faca usada, ela ainda tinha outras duas na mochila. Na madrugada anterior à agressão, a adolescente postou nas redes sociais um vídeo de um massacre em uma escola americana. A publicação já foi removida.

“Foi uma situação bem complicada, a escola toda ficou bem assustada. Agora a gente vai precisar de um tempo para digerir. Trazer a cultura da paz para a sociedade, para nossa comunidade, até abrir um canal de diálogo com eles para eles falarem sobre isso. Afinal de contas, são adolescentes e precisam ser ouvidos, né?”, salienta o diretor da escola, Ângelo Vinícius da Rosa Peres.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Maximiliano de Almeida joga bem mas não consegue segurar o contra ataque de Ipiranga do Sul

A Equipe da casa foi derrotada por 4 a 3, porem o placar não condiz com a partida disputad…