Home Educação Candidato a deputado estadual mais votado no RS quer ampliar número de escolas militares

Candidato a deputado estadual mais votado no RS quer ampliar número de escolas militares

5 Primeira leitura
Comentários desativados em Candidato a deputado estadual mais votado no RS quer ampliar número de escolas militares
0
216

Tenente-coronel Luciano Zucco (PSL), de 44 anos, foi eleito com 166.747 votos. Na Assembleia Legislativa pretende concentrar esforços nas áreas de educação e segurança.

Com 166.747 votos, o tenente-coronel Luciano Zucco (PSL), de 44 anos, foi o candidato a deputado estadual mais votado do Rio Grande do Sul na eleição deste domingo (7). Filho de um sargento da Brigada Militar e de uma professora, é natural de Alegrete, na Fronteira Oeste do estado, e tem 26 anos de serviço militar. Ao G1, disse ter ficado surpreso com a votação.

“Foi uma surpresa tremenda. Uma surpresa muito positiva. Todo o respeito, toda a consideração, toda a confiança dessa parcela significativa do povo gaúcho. Estou muito feliz, mas com certeza não esperava esse resultado. Nós tínhamos uma pretensão de fazer uma votação boa, mas nada perto desse quantitativo”, afirmou.

Formado em 1996 na Academia Militar das Agulhas Negras, Zucco fez cursos operacionais no Rio de Janeiro, na Brigada Paraquedista, mesma escola de Jair Bolsonaro. Tem pós-graduação e mestrado em segurança e cursos de inteligência no Brasil e no exterior. No Exército, participou das forças de pacificação no Rio de Janeiro. Fez parte da equipe de segurança da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2008.

Na área de ensino, pretende ampliar o número de escolas militares. “Eu verifiquei, não só no estado de São Paulo, no Amazonas, a quantidade de colégios semelhantes ao nosso Colégio Militar, Colégio Tiradentes, aqui no RS. Então, também tenho uma ideia de tentar ajudar na ampliação do número de colégios. Também tentar trabalhar essa questão do patriotismo. A gente vê tantos colégios hoje onde não se canta mais o hino nacional, não se tem mais essa questão das aulas de moral e cívica.”

Sem experiência política, decidiu se candidatar por acreditar que pode colaborar com a diminuição dos problemas com a segurança. “Acompanho o cenário da insegurança pública há um bom tempo. Já perdi colegas meus muito próximos e amigos fruto da violência. De tanto estudar, de tanto ajudar de uma outra forma, eu achei que eu posso enfim tentar passar algum conhecimento nessa área”.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Educação
Comentários estão fechados.

Veja Também

Mais qualidade, menos glamour: atrás de reforços, Inter busca repetir a “fórmula Aránguiz”

Chileno desembarcou em Porto Alegre em 2014 sem tanta badalação, mas virou expoente do clu…