Home Geral Ré do caso Bernardo Edelvânia Wirganovicz passa mal durante julgamento

Ré do caso Bernardo Edelvânia Wirganovicz passa mal durante julgamento

5 Primeira leitura
Comentários desativados em Ré do caso Bernardo Edelvânia Wirganovicz passa mal durante julgamento
0
191

A ré Edelvânia Wirganovicz, uma das acusadas de matar o menino Bernardo Boldrini, morto em 2014, aos 11 anos, passou mal no fim da manhã desta quinta-feira (14) durante o interrogatório. O julgamento está ocorrendo desde segunda (11) em Três Passos, no Noroeste do Rio Grande do Sul. Edelvânia havia respondido perguntas da juíza Sucilene Engler Werle. Antes de começar a ser questionada pelo Ministério Público, ela desmaiou.

Edelvânia Wirganovicz desmaia durante interrogatório — Foto: Reprodução

Ela foi retirada do plenário, sob supervisão da enfermeira. A juíza determinou a suspensão da sessão do júri. Advogado de defesa de Edelvânia diz que ela não tem condições de voltar.

Além de Edelvânia, respondem também pela morte de Bernardo o irmão dela, Evandro Wirganovicz, o pai do menino, Leandro Boldrini, e a madrasta Graciele Ugulini.

Em mais de um momento, durante o interrogatório, Edelvânia negou que o irmão dela tenha participado da ocultação do corpo de Bernardo.

Antes de passar mal, Edelvânia disse que foi coagida e orientada, pelas delegadas, sobre o que deveria dizer no depoimento.

“Eu estava há três dias sem comer, só tomando remédio. Estava chapada quando fui levada para a delegacia”, disse. “A senhora foi ameaçada?”, perguntou a juíza. “Sim, fui. A delegada deixou a arma em cima da mesa e disse que ia filmar”, contou.

Bastante emocionada, Edelvânia disse que não matou Bernardo. “Aquela criança só queria amor e comida”, disse chorando.

A ré não confirma ter comprado soda cáustica. Disse apenas que comprou Midazolam, a pedido de Graciele, madrasta de Bernardo, e uma pá, que seria usada para cavar uma valeta para evitar que furasse o tanque do carro dela.

Ela ainda contou à juíza que os remédios foram dados por Graciele a Bernardo e que teria entrado em pânico quando viu que ele estava morto. Ela sugeriu ir na delegacia, mas Graciele a ameaçou.

“Ameaçou minha família de morte, a minha mãe. Eu fiquei desesperada”.
“Eu tentei achar uma terra fofa para enterrar o menino. Tirei as terras com a mão e ajeitei tudo”, disse Edelvânia. “Quem tirou a roupa do Bernardo?”, perguntou a juíza. “Ela [Graciele] e eu”, respondeu a ré.

“Ela [Graciele] me ofereceu dinheiro e eu disse ‘não’. Vamos dar um enterro digno para esse guri, do lado da mãe dele”, contou Edelvânia aos prantos.

Antes de Edelvânia, a outra ré, Graciele, prestou depoimento. Ela disse que a morte de Bernardo ‘foi um acidente, uma sucessão de erros’.

Na quarta-feira (13), Leandro afirmou que não mandou matar o filho. Ele afirmou que a criança foi morta pela madrasta, Graciele, e a amiga dela Edelvânia. O quarto réu, Evandro, ainda falta ser interrogado.

Bernardo foi morto em 2014, após ingerir uma superdosagem de Midazolam. O corpo foi encontrado 10 dias depois envolto em um saco plástico em uma cova em Frederico Westphalen.

Fonte: G1

 

O post Ré do caso Bernardo Edelvânia Wirganovicz passa mal durante julgamento apareceu primeiro em RS Agora.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Silmar Luiz Biscaro
Carregar mais por Geral
Comentários estão fechados.

Veja Também

Jovem de Erechim está desaparecido e família pede ajuda para encontrá-lo

Um jovem de 21 anos, morador de Erechim RS, está desaparecido desde a manhã de segunda-fei…