Home Colunistas Ressecção Transuretral da Próstata comentário Dr. José David Kartabil

Ressecção Transuretral da Próstata comentário Dr. José David Kartabil

10 Primeira leitura
Comentários desativados em Ressecção Transuretral da Próstata comentário Dr. José David Kartabil
0
21
A Ressecção Transuretral da Próstata, também conhecida pela sigla RTUP, consiste num procedimento cirúrgico indicado para casos de HPB, a Hiperplasia Prostática Benigna, que pode atingir homens de todas as idades, embora seja mais frequente em maiores de 40 anos. O diagnóstico é feito com a história clínica (queixa do homem), exame de toque retal, PSA, Ultrassom, Fluxometira/Urodinâmica.
A Ressecção Transuretral da Próstata (RTUP) é considerada o tratamento padrão-ouro entre as terapias cirúrgicas. Melhora sintomática em torno de 85% após um ano e 75% após três anos, com melhora do fluxo urinário em cerca de 95%. Complicações mais comuns: ejaculação retrógrada (50%), disfunção erétil (1% a 12%), sintomas miccionais irritativos, contratura do colo vesical (2,7%), infecção urinária e hematúria recorrente.
A próstata é uma glândula localizada próxima à bexiga, e é atravessada pelo canal uretral. Quando tem seu tamanho aumentado, pode causar obstrução ao fluxo de urina, dificultando a micção.
Na fase inicial optamos por tratamento vigilante e após medicações, quando o aumento de tecido prostático causa complicações na eliminação da urina e passa a interromper de forma mais acentuada a passagem dela pela uretra, necessitamos avaliar para determinar o tipo de tratamento apropriado. Em casos extremos, onde a medicação não responde ou por opção do paciente, indica-se a RTU. Estima-se que 90% dos homens acima dos 80 anos de idade apresentam HPB, por isso, são os que devem ter mais atenção aos sinais de crescimento anormal da próstata, que pode causar:
• Sensação de que não esvaziou a bexiga completamente (resíduo miccional elevado)
• Vontade de urinar constante à noite
• Fluxo lento de urina
• Infecções ou pedras na bexiga
• Espessamento da bexiga (bexgia de esforço)
Para desobstrução da uretra e retirada do excesso de tecido prostático, utilizamos endoscópio, introduzido pelo pênis. O paciente pode recerber anestesia geral ou normalmente a via raqueanestesia – apenas da cintura para baixo.
O ressectoscópio (instrumento que fará a ressecção) será inserido pela ponta do pênis e permitirá que o cirurgião visualize a glândula prostática, com auxílio de uma “torre” de vídeo. O tamanho da parte a ser removida dependerá do tamanho e da forma da próstata. Ao final da ressecção endoscópica da próstata será passada no paciente uma sonda urinária, que será irrigada com um fluido em infusão contínua por dois ou três dias, para evitar o acúmulo de coágulos dentro da bexiga. Quando a sonda é retirada, os pacientes podem sentir dor ao urinar. Isto ocorre porque a uretra fica inflamada pela presença da sonda.
O procedimento pode ser feito com várias formas de energias (Eletrocautério monopolar/bipolar, laser, plasma button) depende da disponibilidade no hospital, experiência do cirurgião e do quadro clínico do paciente.
Embora sejam muito pouco frequentes, pode haver complicações após a realização de RTU. A principal delas é a presença de sangue ou coágulos na urina. Outra eventual e rara complicação é a síndrome de ressecção transuretral de próstata, cujos sintomas são, entre outros, a aceleração nos batimentos cardíacos, agitação, náuseas e vômitos.
O tempo de internação após a cirurgia varia entre 2 e 3 dias.
Devemos lembrar que alguns dos sintomas da HPB (Hipertrofia Prostática Benigna) são os mesmos do câncer de próstata. No entanto, a HPB é muito mais comum do que o câncer de próstata.
Mais de metade dos homens com mais de 60 anos tem aumento da próstata. Não se sabe exatamente por que este aumento ocorre, especula-se além da idade, fatores genéticos e hormonais.
No entanto, não é câncer e não provoca câncer.
Após a realização da RTUP, o homem deve manter o controle regular para o rastreamento do câncer de próstata.
fonte: www.kartabiluro.com

Dr. José David Cartabil, atende junto ao CIS, Centro Integrado de Saúde, urologia em geral, cálculos e cólicas renais, disfunção erétil, doenças sexualmente transmissíveis, cirurgias minimamente invasivas, procedimentos médicos e de urgência clínicos e cirúrgicos.

Dr. José David Cartabil Urologista

Telefone (054) 3343-1020, atendimento também em Machadinho na Clínica Machadinho pelo telefone 3551-1211.

Formou-se em Medicina em 1994, na Fundação Universidade do Rio Grande (FURG). É oficial da Reserva do Exército, onde trabalhou como Médico na Amazônia. Após esse período, em 1996 e 1997, fez especialização em Cirurgia Geral, no Hospital Santa Rita. Em seguida fez Especialização em Urologia na Santa Casa de Belo Horizonte. Em 2000 entrou como Assistente Adjunto no Serviço de Urologia do Grupo Hospitalar Santa Casa e em seguida Assistente Efetivo, além de preceptor e coordenador Adjunto do Serviço de Urologia, credenciado Pleno pelo MEC e SBU, onde ajudou na formação de inúmeros residentes até o final de 2017.

Fez curso em laparoscopia em Goiânia em 2006. Também participou do Serviço de transplante Renal da Santa casa, até 2009, tendo feito treinamento em transplante no Hospital do Rim, em São Paulo. Além disso, realizou cursos de endourologia (Nefrolito Percutânea, Ureterorenoflexível à Laser) e micro-cirurgia urológica no Centro de Ensino e Pesquisa em Cirurgia (CEPEC/USP).

Pós-graduação em Cirurgia Robótica na Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FELUMA), incluindo o observership na Universidade de Miami.

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia, aprovado como especialista em 2003, onde foi tesoureiro da seccional De Minas Gerais, em dois mandatos consecutivos.

Faz parte como membro da Sociedade Americana e Européia de Urologia e da Confederación Americana de Urologia.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Colunistas
Comentários estão fechados.

Veja Também

Garota Piscina Thermas Machadinho um show de simpatia e beleza

2º etapa classifica mais 5 candidatas para a grande final no dia 16/02/2019. Neste último …