Home Destaque Rio Grande do Sul deve colher a segunda maior safra de grãos da história em 2019, anuncia Emater

Rio Grande do Sul deve colher a segunda maior safra de grãos da história em 2019, anuncia Emater

6 Primeira leitura
Comentários desativados em Rio Grande do Sul deve colher a segunda maior safra de grãos da história em 2019, anuncia Emater
0
63

Durante a 20ª Expodireto Cotrijal, entidade afirmou que estimativa é de que a produção alcance 31,9 milhões de toneladas

O Rio Grande do Sul deve colher a segunda maior safra de grãos da história, conforme anunciado nesta terça pela Emater durante a 20ª Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. A estimativa é de que a produção alcance 31,9 milhões de toneladas, um acréscimo de 4,6% com relação à safra passada. Porém o desempenho ainda está abaixo do ciclo 2016/2017, quando as lavouras gaúchas registraram uma produção de 33,6 milhões de toneladas.

Os destaques do levantamento foram o desempenho da soja e do milho. A produção da oleaginosa deve chegar a 18,5 milhões de toneladas, um incremento de 5,7% em relação ao ciclo passado. O volume só não é maior do que a safra colhida em 2017, que chegou a 18,7 milhões de toneladas. Na maior parte das regiões produtores a colheita teve início nos últimos dias e deve se intensificar na segunda quinzena de março. A manutenção da área de soja no Rio Grande do Sul, que ficou em 5,8 milhões de hectares, demonstra que o Rio Grande do Sul possui limitações para a expansão das fronteiras agrícolas. Segundo o presidente da Emater, Iberê de Mesquita Orsi, um destes fatores é o déficit hídrico na região da Campanha, em especial entre os meses de dezembro e fevereiro.

Já o milho grão deve ter um desempenho 22,3% superior ao ciclo passado, interrompendo uma sequência de quedas na produção do cereal. O volume estimado é de 5,5 milhões de toneladas. O desempenho foi influenciado pelo aumento de área (7,4%) e de produtividade (13,8%). Mais da metade da área de milho já foi colhida. Orsi destacou que, há dez anos, a produção gaúcha de soja era de 5 milhões de toneladas, mas em uma área de 1,6 milhões de hectares. Desde então, o tamanho da lavoura caiu pela metade, mas o volume de produção se manteve. “Houve um aumento de produtividade em função de tecnologias utilizadas”, resumiu.

“O profissionalismo dos produtores, associado às condições ambientais, deram esse patamar de produção, principalmente em relação ao milho e a soja”, disse o assistente estadual em culturas da Emater, Alencar Rugeri. No caso da soja, o início da safra chegou a apresentar problemas no regime de chuvas, o que expôs problemas em relação a solos. No milho, Rugeri estima que cerca de 12% da área atual seja irrigada, o que explica parte do sucesso obtido na safra atual. Porém é unanimidade entre entidades do setor a crença de que o Rio Grande do Sul precisa aumentar sua produção. Para Rugeri, é necessário ampliar investimentos em irrigação, armazenagem e solos, de modo a perseguir a autossuficiência do grão.

A produção de arroz, prejudicada pelo excesso de chuvas na Fronteira-Oeste, é calculada em 7,7 milhões de toneladas (queda de 7,2%). As lavouras de feijão devem produzir 69,9 mil (1ª safra) e 32,1 mil toneladas (2ª safra), o que representa alta de 8,6% e 5,3%, respectivamente. O impacto econômico da safra de grãos, calculado pela Emater, é de R$ 31,9 bilhões, considerando as cotações atuais.

fonte: correiodopovo.com.br

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Bruno Pelizzoni dos Santos
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Dengue começa a ser transmitida em Erechim

Confirmado o primeiro caso da doença contraída na cidade O diretor da Vigilância em Saúde,…