Home Destaque A brincadeira faz a diferença na infância

A brincadeira faz a diferença na infância

5 Primeira leitura
0
0
20

Quando uma criança se sente amada e bem cuidada, valiosa aos olhos de figuras especialmente importantes em sua vida, o bem-estar daí resultante cria um reservatório de positividade. Isso, por sua vez, parece fomentar outro impulso básico: o anseio de explorar o mundo como um todo.

Elas precisam de um “porto-seguro”, um local emocionalmente protegido, como o seu quarto ou a própria casa, para onde retornar após explorar o mundo mais amplo. Essa exploração pode ser física, como andar de bicicleta, interpessoal, como conhecer pessoas novas e fazer amizades ou intelectual, como buscar um conhecimento em assuntos diversificados.

Um sinal simples de que a criança tem um porto-seguro é sair para brincar. As brincadeiras tem importantes benefícios; depois de anos brincando de forma consistente, as crianças adquirem uma gama de experiências sociais. Em primeiro lugar, aprendem habilidades sociais, como, por exemplo, negociar disputas de poder, cooperar e formar alianças e fazer concessões com elegância.

Toda essa prática pode ocorrer durante a brincadeira, como uma relaxada sensação de segurança – até mesmo um erro pode desencadear risadas, enquanto em uma sala de aula esse mesmo erro poderia ser alvo de ridicularização. A brincadeira proporciona às crianças um espaço seguro para experimentar coisas novas em seus repertórios com o mínimo de ansiedade.

Os mesmo circuitos cerebrais que preparam a brincadeira também estimulam a alegria. O circuito cerebral para a alegria da brincadeira tem estreitas ligações com as redes neurais que fazem uma criança sentindo cócegas rir. E por isso nosso cérebro vem programado com a necessidade de brincar, necessidade que nos lança à sociabilidade.

Através da sociabilidade que desenvolvemos a nossa capacidade de comunicação. A  “atenção conjunta” e a reciprocidade de uma conversa que nos possibilita aprender nossa língua materna.  É vendo e imitanto o “outro” que somos capazes de entender e aplicar as regras da linguagem.

E além da comunicação social, a brincadeira é responsável pelo desenvolvimento cognitivo de uma criança. Através da brincadeira, as crianças praticam os papéis dos adultos, explorando sua criatividade e imaginação. É com o “ faz-de-conta” que a criança aumenta sua confiança e resiliência para encarar os desafios da vida adulta.

Portanto, neste 12 de outubro, propicie oportunidades para as crianças brincarem, seja ao ar livre ou mesmo dentro de casa, sozinhas ou em grupos, mas com uma única ressalva: longe dos dispositivos eletrônicos.

Referências:

“A Inteligência Social” de Daniel Goleman

“Autism Focused Intervention Resources & Modules (AFIRM)” is an extension of the National Professional Development Center (NPDC) on ASD.

Por Juliana de Lima Theodoro
Fonoaudióloga/ Machadinho-RS

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Mateus Giequelin
Carregar mais por Destaque

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Círculo colorido ao redor do sol chama atenção de moradores de Passo Fundo

O fenômeno natural conhecido como “halo solar” pode ser visto em Passo Fundo n…