Home Geral Casal que já adotou menino de Guiné-Bissau faz campanha para trazer irmã dele ao RS

Casal que já adotou menino de Guiné-Bissau faz campanha para trazer irmã dele ao RS

6 Primeira leitura
Comentários desativados em Casal que já adotou menino de Guiné-Bissau faz campanha para trazer irmã dele ao RS
0
101

Um casal de Ivoti, cidade distante cerca de uma hora de Porto Alegre, faz campanha na internet para aumentar a família. Deisi e Fernando Scherer já adotaram um menino de Guiné-Bissau e agora querem trazer a irmã biológica dele ao Rio Grande do Sul. Para isso, precisam entrar com processo internacional de adoção, que pode custar R$ 30 mil. Os dois conheceram as crianças quando fizeram trabalhos voluntários no país africano.

Foto: Arquivo Pessoal

Ele atua na construção de casas e escolas. Deisi, que é professora, participa de um projeto de formação de professores na Guiné-Bissau.

Eles tiveram a ideia de adotar Abel na segunda viagem ao país. “O Abel vinha em volta, olhava o que a gente fazendo e logo a gente começou a brincar, se olhar. Deu uma conexão diferente das outras crianças”, lembra Fernando, que é industriário.

Na primeira vez que eles foram para o país, em 2014, fizeram um empréstimo de três anos. “Quando fomos de novo, em 2016, o empréstimo nem estava pago”, conta Deisi. Então, os dois fizeram ações para conseguir recursos.

O casal já estava na fila de adoção no Brasil, mas ainda não havia sido chamado. Decididos a adotar Abel, que na época tinha cinco anos de idade, Deisi e Fernando foram atrás de ajuda para contratar um advogado de Guiné-Bissau e para arcar com os custos de documentos e passagens aéreas.

Eles juntaram as economias que tinham, e amigos contribuíram com uma quantia que completou o valor necessário. Além disso, Fernando saiu do emprego e sacou o Fundo de Garantia.

“Aconteceu alguma coisa que eu não sei bem explicar, que nos ligou. Ou já estávamos ligados de algum jeito. Foi a melhor viagem da vida, poder ter conhecido o Abel e ter tido esse encontro”, diz Deisi. Fernando conta que o menino até disse que gostaria que ele fosse seu pai.

“Virou para mim e falou em crioulo, que é a língua que ele falava, que gostaria que eu fosse o pai dele. Na hora eu suei muito. Tentei não botar para fora para não dar esperança para ele.”
Quando estiveram na África pela última vez, para trazer Abel, Deisi e Fernando conheceram uma irmã biológica dele, a Djariatu, chamada por eles de Dja. Nesses quase dois anos que o menino está no Brasil, a família adotiva mantém contato com familiares dele na Guiné. E os pais da menina disseram que gostariam que ela também fosse adotada.

“Às vezes a gente pensa que as pessoas que liberam seus filhos para adoção não amam, mas eu não vejo isso na família do Abel. Eu vejo o quanto eles amam. E porque eles amam, querem uma história diferente do que a Guiné pode proporcionar”, diz Deisi. Grande parte do país vive com muita pobreza, sem energia elétrica nem água tratada.

Abel se adaptou bem a Ivoti. Estuda e já aprendeu a ler e a escrever. Em um vídeo que a família gravou para a campanha para adotar Dja, o menino pede ajuda (veja abaixo):

“A gente pede por favor. Pode nos ajudar, pessoal que está assistindo a esse vídeo, a adotar a minha irmã, Dja?”
Deisi e Fernando são casados há 12 anos. Desde que começaram a namorar, falavam em adoção.

O post Casal que já adotou menino de Guiné-Bissau faz campanha para trazer irmã dele ao RS apareceu primeiro em RS Agora.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Silmar Luiz Biscaro
Carregar mais por Geral
Comentários estão fechados.

Veja Também

Campanha de vacinação contra a gripe começa hoje; veja calendário e ouça a entrevista

Ouça a entrevista com Tânia Menon – Responsável pela sala de Vacinas da UBS de Macha…