Home Geral CASO BERNARDO: Condenados poderão cumprir pena no semiaberto em poucos anos

CASO BERNARDO: Condenados poderão cumprir pena no semiaberto em poucos anos

9 Primeira leitura
Comentários desativados em CASO BERNARDO: Condenados poderão cumprir pena no semiaberto em poucos anos
0
132

Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvânia Wirganovicz e Evandro Wirganovicz foram condenados a 100 anos e seis meses de prisão no julgamento da morte do menino Bernardo Uglione Boldrini. A sentença do julgamento que durou cinco dias, em Três Passos, foi proferida no início da noite da última sexta-feira (15).

Isso não significa que os quatro ficarão todo esse período no regime fechado. Isso porque eles já cumpriram 4 anos e 11 meses de prisão, antes do julgamento. Assim, esse tempo é descontado da pena a ser cumprida. No entanto, algumas variáveis podem mudar o tempo em que três dos condenados ficarão no regime fechado.

Há dois entendimentos para a progressão para o regime semiaberto, conforme Lucas Duarte, advogado e membro da Associação dos Advogados Criminalistas do Planalto Médio (AACPLAM).

Os três primeiros foram condenados por homicídio qualificado, que é um crime hediondo. A progressão de regime nesses casos pode ocorrer apenas quando o preso cumpre 2/5 da pena, não o normal, que é um 1/6. Exemplo: Leandro Boldrini, pai da vítima, foi condenado a 33 anos e oito meses de prisão: 30 anos e oito meses por homicídio, dois anos por ocultação de cadáver e um ano por falsidade ideológica.

Um dos entendimentos aponta que todo o Caso Bernardo é hediondo. Então, o cálculo seria feito com o tempo total de condenação, ou seja, 33 anos e oito meses.

Por isso, ele cumpriria os 2/5 desse período e poderia passar para o regime semiaberto, caso assim decidisse a justiça. Desses 2/5, seriam descontados ainda os quatro anos e 11 meses que ele já estava preso antes do julgamento.

Há outro entendimento que somente o homicídio é hediondo; no caso da ocultação de cadáver e falsidade ideológica – crimes pelos quais ele também foi condenado – ele não teria de cumprir 2/5 da pena, mas sim 1/6.

A progressão deve levar em conta outros pontos, como remissão de pena por trabalho interno e estudo no sistema prisional. A progressão de regime pode, contudo, ser negada pela justiça. “O mais correto e provável é que sejam utilizados os 2/5 da pena para a parte hedionda e 1/6 da pena para a parte que não é hedionda”, disse Lucas Duarte.

Conforme o advogado, a progressão é um direito do preso. “Porém, necessita de uma avaliação psicossocial, um atestado de conduta carcerária emitido pela casa prisional, não possuir faltas graves nem outros processos que o mantenham na condição de regime fechado. Feita esta avaliação, enviam para a juíza da Vara de Execução Criminal que vai analisar e decidir sobre a progressão”, explica.

Tempo estimado de pena a cumprir no regime fechado

Leandro Boldrini

Foto: TJ/RS

Condenação: 33 anos e oito meses de prisão em regime fechado

30 anos e oito meses são por homicídio qualificado (motivo fútil, com emprego de veneno e mediante dissimulação).

Dois anos por ocultação de cadáver.

Um ano por falsidade ideológica.

Pena restante: 28 anos e 9 meses.

Mínimo em regime fechado: cerca de 8 anos e seis meses

Graciele Ugulini

Condenação: 34 anos e sete meses de prisão, em regime fechado.

32 anos e oito meses por homicídio qualificado (motivo fútil, com emprego de veneno e mediante dissimulação).

Um ano e 11 meses por ocultação de cadáver.

Pena restante: 29 anos e 8 meses

Mínimo em regime fechado: Cerca de 9 ano

Edelvânia Wirganovicz

Condenação: 22 anos e dez meses de prisão, em regime fechado.

21 anos e quatro meses por homicídio qualificado (emprego de veneno e mediante dissimulação).

Um ano e seis meses por ocultação de cadáver.

Pena restante: 17 anos e 11 meses.

Mínimo em regime fechado: cerca de 4 anos

Evandro Wirganovicz

Condenação: Nove anos e seis meses de prisão.

Oito anos por homicídio simples.

Um ano e seis meses por ocultação de cadáver.

Restante da pena em regime semiaberto.

Pena restante: 4 anos e sete meses.

Mínimo em regime fechado: vai cumprir em regime semiaberto e pode pedir liberdade condicional

O crime

Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril de 2014, em Três Passos. O corpo dele foi encontrado na noite de 14 do mesmo mês, dentro de um saco plástico e enterrado às margens de um rio em Frederico Westphalen. Edelvânia Wirganovicz, amiga da madrasta Graciele Ugulini, admitiu o crime e apontou o local onde a criança foi enterrada.

Respondiam ao processo criminal o pai de Bernardo, Leandro Boldrini, a madrasta do menino, Graciele Ugulini, e os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz. Eles foram julgados pelo Conselho de Sentença do Tribunal do Júri, pelos crimes de homicídio quadruplamente qualificado (Leandro e Graciele), triplamente qualificado (Edelvânia) e duplamente qualificado (Evandro), além de ocultação de cadáver.

Leandro Boldrini também respondeu pelo crime de falsidade ideológica

 

O post CASO BERNARDO: Condenados poderão cumprir pena no semiaberto em poucos anos apareceu primeiro em RS Agora.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Silmar Luiz Biscaro
Carregar mais por Geral
Comentários estão fechados.

Veja Também

Campanha de vacinação contra a gripe começa hoje; veja calendário e ouça a entrevista

Ouça a entrevista com Tânia Menon – Responsável pela sala de Vacinas da UBS de Macha…