Home Destaque 2 D’Alessandro vive noite especial em reencontro com o River: “Sentimento lindo”

D’Alessandro vive noite especial em reencontro com o River: “Sentimento lindo”

7 Primeira leitura
Comentários desativados em D’Alessandro vive noite especial em reencontro com o River: “Sentimento lindo”
0
154
Publicidade

Argentino enfrenta ex-clube e atua por 10 minutos no empate em 2 a 2 em seu retorno ao Monumental de Nuñez, nesta terça-feira

D’Alessandro esteve em campo por escassos 10 minutos e pouco interferiu no empate em 2 a 2 entre Inter e River Plate, nesta terça-feira, no Monumental de Núñez. Nem precisava tanto. De volta ao estádio em que nasceu para o futebol, o gringo atraiu os holofotes e ganhou recepção de ídolo das duas torcidas no reencontro emocionado com o clube que o revelou.

O argentino ouviu aplausos ressoarem das arquibancadas a cada passo que deu no estádio, em um gesto capaz de esquentá-lo em uma noite gelada do outono portenho. A sua reação não poderia ser diferente: depois de receber tanto carinho, o meia rumou ao vestiário com lágrimas nos olhos, vestindo a camisa do River Plate que trocou com Álvarez.

– Eu sempre torci para não ter confronto com o River. Mas é bom porque me deu a chance de voltar para a minha casa, receber o carinho da torcida, que foi impressionate. Estou muito feliz. Passei 15 anos da minha vida aqui. É uma mistura de sentimentos bons – declarou o camisa 10 após a partida.

D'Ale deixa o Monumental emocionado após receber carinho da torcida — Foto: Eduardo DecontoD'Ale deixa o Monumental emocionado após receber carinho da torcida — Foto: Eduardo Deconto

D’Ale deixa o Monumental emocionado após receber carinho da torcida — Foto: Eduardo Deconto

A ovação dos torcedores foi instantânea a cada aparição no gramado que conhece tão bem desde os oito anos, quando chegou para treinar pelos Millonarios. Ainda com muitos espaços vazios nas arquibancadas, D’Ale foi a campo ao lado dos companheiros e logo recebeu os primeiros aplausos.

Nesta terça-feira, o argentino iniciou na reserva, preservado devido aos dois cartões que ameaçavam sua presença nas oitavas de final da Libertadores. Ainda assim, seu nome foi saudado por todos – argentinos e colorados – no anúncio dos suplentes do Inter.

Já no segundo tempo, o argentino deixou o banco para iniciar o aquecimento e foi uma vez mais ovacionado pelos conterrâneos que estavam próximos nas arquibancadas. D’Ale entrou em campo aos 39 do segundo tempo, sob aplausos de todo o Monumental de Nuñez.

Embedded video

Encerrada a partida, D’Ale trocou de camisa com Álvarez, vestiu o uniforme do River e se dirigiu primeiro à torcida do Inter. Com as cores dos “Millonrios”, o argentino parou à beira do túnel de acesso ao vestiário e não se conteve. Retribuiu cada um dos acenos com palmas e reverências. As lágrimas foram um passo natural para o argentino.

– Depois que fui pai, tenho três filhos, fico mais sensível. Choramos por qualquer coisa. Mas isso não é qualquer coisa. É um sentimento lindo por voltar à minha terra, jogar no Monumental, com meu pai, minha mãe, meu irmão, amigos perto. Ter treinado no meu bairro, o Paternal. São muitas coisas – disse D’Ale.

Antes de deixar o Monumental de Nuñez, D’Ale concedeu uma entrevista coletiva concorrida na zona mista do estádio, alternando entre o português e o espanhol para atender a jornalistas do Brasil e da Argentina. O gringo ainda posou para selfies com torcedores no caminho para o ônibus.

D'Alessandro recebe o carinho do torcedor durante o aquecimento — Foto: Eduardo DecontoD'Alessandro recebe o carinho do torcedor durante o aquecimento — Foto: Eduardo Deconto

D’Alessandro recebe o carinho do torcedor durante o aquecimento — Foto: Eduardo Deconto

O argentino vive dias de emoção desde muito antes de pisar o gramado tão conhecido do estádio do River. Na segunda-feira, o Inter realizou o único treino em Buenos Aires no bairro de La Paternal a alguns poucos metros da casa em que D’Ale cresceu e viveu quase toda a sua infância.

No Estádio Diego Armando Maradona, casa do Argentinos Juniors, treinou sob os olhares dos pais, Eduardo e Estela, do irmão, Marcelo, e de amigos. Ter a família tão próxima o levou às lágrimas na entrevista coletiva após a atividade. O choro encontrou reflexo nos olhares marejados de seus pais.

fonte: globoesporte.com

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Bruno Pelizzoni dos Santos
Carregar mais por Destaque 2
Comentários estão fechados.

Veja Também

Evento em alusão ao mês das crianças é realizado pelo CRAS de Machadinho

Na data de 22 de outubro, o Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, promoveu um…