Home Destaque DIA 02 DE ABRIL – DIA MUNDIAL DO AUTISMO. PARA TODO O MAL, O AMOR AINDA É O MELHOR REMÉDIO!

DIA 02 DE ABRIL – DIA MUNDIAL DO AUTISMO. PARA TODO O MAL, O AMOR AINDA É O MELHOR REMÉDIO!

9 Primeira leitura
Comentários desativados em DIA 02 DE ABRIL – DIA MUNDIAL DO AUTISMO. PARA TODO O MAL, O AMOR AINDA É O MELHOR REMÉDIO!
0
494

O Presidente do Instituto AEIOU, Adersen Cresthani, destaca importantes informações a cerda do dia 02 de abril – Dia Mundial do Autismo.

  • PORQUE CELEBRAR O DIA 02 DE ABRIL COMO SENDO O DIA MUNDIAL DO AUTISMO?

Em 18 de dezembro de 2007 a ONU decidiu criar uma data para conscientização do Autismo.  Num evento realizado no dia 02 de abril de 2008 o secretário Geral elogiou a iniciativa da família real do Catar, por incentivar a proposta de criação desse dia, por isso o dia 02 de abril ficou como um marco e, assim, nesse dia, todos os anos, se celebra o dia mundial do autismo.

  • QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO AUTISMO?

O Autismo é um transtorno global do desenvolvimento marcado por três características fundamentais: É uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização (estabelecer relacionamentos) e de comportamento (responder apropriadamente ao ambiente — segundo as normas que regulam essas respostas).

Em casos mais graves o Autista não desenvolve nenhuma forma de comunicação. Não é capaz, sequer, de apontar para a parte do corpo onde sente dor, por exemplo.

  •  QUAIS SÃO AS CAUSAS DO AUTISMO?

Isso é ainda um grande mistério. Cogitou-se que as vacinas causavam o autismo, mas ficou provado que as vacinas nada têm a ver.  Falava-se também, antigamente, veja o absurdo, nas mães geladeira, acreditando-se que as mães eram responsáveis pelo desencadeamento do Autismo, por dispensarem um tratamento frio aos filhos. Essas teorias absurdas deram lugar, atualmente, as teorias que tratam de fatores genéticos e ambientais.

Uma pesquisadora Americana (Stephanie Seneff) atribui o autismo ao uso indiscriminado de do agrotóxico Glifisato. Segundo essa pesquisadora, até 2025 metade das crianças nascerão com autismo em decorrência do glifosato.

Mas, como dissemos, não tem nada de definitivo em relação às causas do autismo. Há muitos estudos nesse sentido, mas, nenhuma conclusão definitiva.

  • QUAL A INCIDÊNCIA DO AUTISMO?

O Brasil peca em relação às estatísticas, mas estima-se que há em torno de 02 milhões de autistas no Brasil e cerca de 70 milhões no mundo.

Um novo relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CD), dos Estados Unidos, mostrou um aumento de 15% no número de crianças que fazem parte do transtorno do espectro autista (TEA). Isso significa 1 caso para cada 59 crianças (estimativas de 2014, divulgadas agora) contra 1 em cada 68 (estimativas de 2012, divulgadas em 2016). Na verdade o que se debate é se há um aumento do número de casos de autismo ou se apenas há um aumento no número de diagnósticos.

A verdade é que há mais casos de autismo do que câncer infantil, diabetes e HIV, somados.

  • COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO

Não existe um exame de laboratório que detecte o autismo. O diagnóstico do autismo é clínico, feito através de observação direta do comportamento e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. O diagnóstico é fechado, normalmente, por uma equipe multidisciplinar que envolve diferentes profissionais.

O autismo começa a dar sinais já nos primeiros anos de vida, como por exemplo, aquele bebê que não fixa seu olhar no da mãe ao mamar.  É imprescindível que o diagnóstico seja feito antes dos 03 anos de vida, mas o ideal é até os 18 meses (1,5 anos), para que se faça a intervenção e a estimulação precoce.

Nesse sentido, o papel da escola para detectar os primeiros sinais do Autismo é preponderante.

  • EXISTE CURA PARA O AUTISMO?

Não!

Mas tem tratamento, especialmente através da estimulação. Esse tratamento envolve diversos profissionais: pediatria, psiquiatria, psicólogo, fonoaudiólogo, pedagogo e terapeuta ocupacional, e é fundamental o papel dos familiares.

Em alguns casos usa-se medicamentos a fim de minimizar os efeitos e sintomas do autismo.

No ano passado, o Fantástico trouxe uma matéria sobre um pesquisador brasileiro, radicado nos EUA, que está desenvolvendo pesquisas que prometem a cura do autismo, através de experiências feitas em laboratórios onde ele cria mini-cérebros e a partir daí testa medicamentos para o tratamento e a consequente cura do autismo, mas isso ainda milita no campo das possibilidades.

  • QUAIS SÃO OS DESAFIOS ATUAIS?

Temos uma legislação moderna que assegura tratamento multidisciplinar, inclusão escolar, social e no mercado de trabalho. Essa é uma luta que foi travada por muitos, e vencida. O grande desafio agora é fazer com que essas leis sejam cumpridas. Nós do Instituto AEIOU primamos pelo diálogo através da conscientização, ou seja, conscientizar a todos de que a efetiva inclusão afetará de forma positiva não só o autista e as demais pessoas com deficiência, mas a sociedade como um todo. Todos podem aprender e ganhar com TEA. Não obstante, seguimos firme essa luta sem arredar o pé de uma certeza inabalável: PARA TODO O MAL, O AMOR AINDA É O MELHOR REMÉDIO!

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Marci Santolin
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.