Home Destaque O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os chineses inventaram o coronavírus e que a vacina do país é menos efetiva do que o imunizante da Pfizer, dos Estados Unidos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os chineses inventaram o coronavírus e que a vacina do país é menos efetiva do que o imunizante da Pfizer, dos Estados Unidos

9 Primeira leitura
Comentários desativados em O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os chineses inventaram o coronavírus e que a vacina do país é menos efetiva do que o imunizante da Pfizer, dos Estados Unidos
0
13

Sem saber que era gravado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (27), que “o chinês” criou a covid-19 e ainda produziu vacinas de eficácia mais baixa do que aquelas desenvolvidas por farmacêuticas dos Estados Unidos. A fala de Guedes, durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar (Consu), ecoa uma teoria bolsonarista difundida nas redes sociais de que a China desenvolveu o vírus em laboratório com interesses econômicos.

“O chinês inventou o vírus e a vacina dele é menos efetiva que a do americano. O americano tem 100 anos de investimento em pesquisa. Os caras falam: qual é o vírus? É esse? Tá bom. Decodifica. Tá aqui a vacina da Pfizer. É melhor que as outras. Então vamos acreditar no setor privado”, disse o ministro da Economia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já desmentiu a teoria de que o coronavírus saiu de laboratório, esclarecendo que o patógeno é de origem animal.

Além de Guedes, também estavam na reunião do conselho os ministros da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Justiça, Anderson Torres, além de representantes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Nenhum dos dois ministros, incluindo o da Saúde, corrigiu Guedes.

Parte da reunião foi transmitida em redes sociais do Ministério da Saúde. O vídeo foi interrompido após os ministros perceberem a gravação. As imagens não estão mais disponíveis. Críticas semelhantes às feitas por Guedes levaram à queda de Ernesto Araújo do Ministério de Relações Exteriores. Ele ficou inviabilizado por prejudicar as relações com os chineses, principalmente no momento em que o País depende de vacinas e matérias-primas dos asiáticos.

Ramos disse que se vacinou, em Brasília (DF), com a dose de Oxford/AstraZeneca. Questionado por Guedes se a vacina recebida não foi a CoronaVac, Ramos reforçou que não. Disse ainda que se vacinou “escondido”, mas a informação “vazou”. O governo não havia divulgado que o ministro recebeu a vacina. O produto desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac e entregue no Brasil pelo Instituto Butantan, órgão ligado ao governo de São Paulo.

As falas dos ministros ocorrem no momento em que o Senado realizava a primeira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, que vai investigar atrasos do governo federal na aquisição de imunizantes.

Além disso, o Brasil é dependente da importação de insumos farmacêuticos ativos da China para a produção tanto da CoronaVac como da vacina de Oxford/AstraZeneca, na Fiocruz. Polêmicas com os chineses envolvendo o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo foram apontadas como motivo para atraso do envio de produtos ao País.

Ao citar a China, Guedes defendia que o setor público é menos eficaz que o privado. O ministro disse que o Sistema Único de Saúde (SUS) não deve dar conta de atender a população nos próximos anos e comparou este cenário com o da educação. Ele afirmou que percebeu, anos atrás, que o governo estava falhando e decidiu investir na educação privada. “Eu prevejo o mesmo para saúde”, disse titular da Economia.

Na sequência, o ministro afirmou que há “duas formas de ajudar o pobre”. A primeira, na visão de Guedes, seria “direto na veia”, em referência ao auxílio emergencial. O outro caminho é a “forma antiga de Brasília”, mais indireta, com empréstimo de recurso a banco público, que passaria por outros intermediários até chegar na população. “Um dia, dos R$ 100 que você emprestou, chega R$ 1 no pobre”, afirmou o ministro sem saber que a conversa era transmitida.

Para ilustrar a suposta crise na educação pública, Guedes disse que as universidades ensinam “Paulo Freire, sexo para criança de 5 anos” e que há maconha e bebidas nas unidades de ensino mantidas pelo governo.

Ao defender novo caminho para o financiamento da saúde, Guedes disse que um “voucher” poderia ser distribuído para a população usar até mesmo hospitais privados. “Você é pobre? Você está doente? Está aqui seu voucher. Vai no Einstein se você quiser”, afirmou o ministro, em referência ao Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Já Ramos disse que tem estimulado o presidente Jair Bolsonaro a se vacinar. Aos 66 anos, Bolsonaro poderia se vacinar desde o começo de abril, quando o DF passou a distribuir doses para o público desta idade. Guedes, que tem 71, foi vacinado no mês passado, com a CoronaVac.

O ministro da Casa Civil demonstrou preocupação com o avanço da covid-19. Ele disse que pessoas próximas têm sido vítimas da doença e que teme pela saúde de Bolsonaro. Segundo apurou o Estadão, Ramos disse que não pode “perder” Bolsonaro para “um vírus desse”.

ACESSE NA FONTE
Autor: O SUL

FIQUE POR DENTRO! PARTICIPE DO GRUPO DA DESTAQUENEWS NO WHATS APP

QUER CONVERSAR SOBRE FUTEBOL, OPINAR, DISCUTIR E ZOAR SOBRE A DUPLA GRENAL PARTICIPE DO GRUPO INTERATIVA GRENAL NO WHATS APP

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por DestaqueNews
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Projetando partida de volta contra o Juventude, Maurício destaca: ”Estamos capacitados para errar muito pouco”

Foto: Ricardo Duarte / S.C. Internacional Por Redação Rádio Grenal | 7 de maio de 2021 O j…