Home Geral ‘Se Battisti tivesse dado essa declaração naquela época, daríamos a extradição’, diz Tarso sobre confissão do italiano

‘Se Battisti tivesse dado essa declaração naquela época, daríamos a extradição’, diz Tarso sobre confissão do italiano

14 Primeira leitura
Comentários desativados em ‘Se Battisti tivesse dado essa declaração naquela época, daríamos a extradição’, diz Tarso sobre confissão do italiano
0
114

Autor do parecer que recomendou, em 2010, a concessão do refúgio político a Cesare Battisti, o ex-ministro da Justiça e ex-governador gaúcho Tarso Genro afirmou nesta terça-feira (26) ao G1 que o governo Luiz Inácio Lula da Silva teria extraditado o italiano se, à época, ele tivesse admitido que cometeu os crimes pelos quais foi condenado à prisão perpétua na Itália.

Para Tarso Genro, a confissão de Battisti – ainda que o italiano tenha admitido os crimes apenas para tentar negociar uma redução da pena – legitimou a extradição de Battisti à Itália, determinada em dezembro pelo ex-presidente Michel Temer.

O ex-ministro Tarso Genro disse que está ‘absolutamente tranquilo’ em relação ao parecer dado em 2010 ao ex-presidente Lula recomendando concessão de refúgio político a Cesare Battisti — Foto: Caco Argemi/Palácio Piratini

“A minha impressão é que há uma negociação para redução de pena, mas também não posso garantir. Jamais alguém vai saber isso de forma completa”, declarou.

Nesta segunda-feira (25), a imprensa da Itália noticiou que o procurador Alberto Nobili – responsável pelo grupo antiterrorista da cidade italiana de Milão – relatou que Battisti confessou durante um interrogatório na prisão envolvimento nos quatro assassinatos cometidos na década de 1970 pelos quais ele foi condenado à prisão perpétua no país europeu.

Em 1993, a Justiça da Itália o considerou culpado por quatro assassinatos ocorridos entre 1977 e 1979. Na ocasião, Battisti integrava a organização Proletários Armados Pelo Comunismo (PAC). Até ser extraditado em janeiro, o italiano negava o envolvimento com os homicídios e se dizia vítima de perseguição política na Itália.

Cronologia: condenação por assassinatos na Itália, a fuga e a prisão na Bolívia
Integrantes do governo Lula e do PT que defenderam a concessão do refúgio a Battisti. A assessoria de imprensa de Lula informou que o ex-presidente não vai comentar. O PT e o Instituto Lula não se manifestaram. Saiba o que disseram os ex-ministros Tarso Genro e Celso Amorim, o ex-secretário Pedro Abramovay e o vereador paulistano Eduardo Suplicy:

Tarso Genro
Dizendo-se “absolutamente tranquilo”, Tarso Genro disse que o parecer elaborado à época em que comandava o Ministério da Justiça no governo Lula – entre 2007 e 2010 – foi baseado nas provas que existiam nos autos dos processos enviados ao governo brasileiro pelas autoridades italianas.

Segundo ele, os documentos “deixavam uma dúvida muito grande sobre a existência do delito”.

“Todo o processo judicial, como o administrativo de extradição, lida com a chamada verdade ficta [suposta], que é aquilo que está dentro do processo. A verdade real do que aconteceu, só quem vai saber é o próprio Battisti. Ninguém vai saber realmente o que aconteceu”, observou o ex-ministro da Justiça.

“Estou absolutamente tranquilo. Posso te dizer, sintetizando o que te falei até agora, se Battisti tivesse dado essa declaração naquela época, daríamos a extradição.” (Tarso Genro)
O ex-ministro disse que, com a prova que existia nos autos do pedido de extradição e o fato de Battisti negar a autoria dos crimes, “era impossível dar a extradição”.

“No nosso caso concreto, nós confiamos na palavra dele para dar o refúgio. É uma norma de princípios do direito penal, seja internacional ou interno: a pessoa não é obrigada a se acusar. Evidentemente, ninguém se acusa”, afirmou.

Para Tarso, o fato de o próprio Ministério Público da Itália ter ouvido o italiano para obter a confissão demonstra que havia dúvidas em torno da autoria dos crimes. Na avaliação do ex-ministro, o próprio Cesare Battisti resolveu a questão.

“Como é que ele resolveu? Dizendo que cometeu os delitos. Em qualquer hipótese, esteja ele falando a verdade ou não, a extradição está legitimada. A verdade ficta, a verdade formal é essa, e ele vai aguentar as consequências.”

Alvo de duros ataques em redes sociais desde que o conteúdo do depoimento de Battisti veio à tona, Tarso relembrou que esses discursos [da direita atacando a decisão do governo Lula] são “totalmente naturais”. “São discursos de disputa política interna”, disse

Pedro Abramovay
Ex-secretário nacional de Justiça na gestão de Tarso Genro, o advogado Pedro Abramovay pediu desculpas nesta segunda-feira em uma rede social em razão do episódio de Cesare Battisti. Abramovay se disse “extremamente decepcionado com a confissão de Battisti”.

“Nunca o vi como herói. Aliás sempre tive uma certa antipatia pessoal por ele [Battisti]”, afirmou Abramovay.

“Agora, ele confessa o crime. Me sinto enganado por ele. E como expressei publicamente minha posição, admito o erro e peço desculpas por isso.” (Pedro Abramovay)
Para o ex-secretário, “pode ser que a confissão seja uma estratégia de defesa. Mas, de qualquer forma, não tenho motivos para não acreditar nele agora”.

Celso Amorim
Chanceler do governo Lula, o ex-ministro Celso Amorim foi um dos personagens envolvidos no processo de concessão do refúgio político a Cesare Battisti.

Diante da confissão do italiano às autoridades do país europeu, Amorim disse que não se sente em condições de expressar opinião sobre o episódio, mas destacou que, à época, estava de acordo com a recomendação de Tarso Genro.

O ex-ministro do Itamaraty contou ao G1 que o papel dele naquela ocasião era evitar que a decisão de Lula gerasse desdobramento negativo no relacionamento do Brasil com a Itália.

  • “A minha função ali era ajudar, trabalhar junto com o presidente para manter o bom relacionamento diplomático. E foi mantido. Não houve nada que tenha dificultado o relacionamento político, econômico e comercial com a Itália.” (Celso Amorim)
    O ex-chanceler afirmou que a análise do pedido de extradição de Battisti apresentado pelo governo italiano foi complexo. Ele ressaltou que, com base nas provas do processo que condenou o italiano à prisão perpétua, o Ministério da Justiça dizia que havia “suficientes elementos” para conceder o refúgio.

“Já tinha sido concedido asilo político pra ele na França também. Não era uma coisa tão descabida. Confissão ele nunca tinha feito antes”, relembrou.

Eduardo Suplicy
O vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT), que era senador quando o governo Lula concedeu refúgio político a Battisti, afirmou ao G1 que é preciso um “esclarecimento mais completo” do caso e um novo julgamento pela Justiça italiana.

Suplicy chegou a enviar, em 2008, uma carta a Lula solicitando asilo político para Battisti (veja abaixo reprodução da carta).

“Diante deste novo fato [suposta confissão de Battisti de que teria cometido os assassinatos], eu acho que é necessário um esclarecimento mais completo sobre tudo o que possa ter acontecido”, declarou ao G1 o vereador de São Paulo.

  • “Eu acho que será importante que a Justiça italiana possa permitir que haja um novo julgamento e que o Cesare Battisti possa efetivamente estar inteiramente livre, não pressionado, para expressar a verdade completa do que aconteceu.” (Eduardo Suplicy) 

    A carta de Cesare Battisti apresentada pelo senador Eduardo Suplicy

    Questionado sobre se acredita que Cesare Battisti tenha sido pressionado a assumir os crimes, o petista afirmou que “as indicações são de que isso possa ter acontecido”.

    “Quando fui para a Papuda [complexo penitenciário onde Battisti ficou preso em Brasília] para visitá-lo, em todos os diálogos ele explicou que não tinha cometido os quatro assinados dos quais era acusado.”

O post ‘Se Battisti tivesse dado essa declaração naquela época, daríamos a extradição’, diz Tarso sobre confissão do italiano apareceu primeiro em RS Agora.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Silmar Luiz Biscaro
Carregar mais por Geral
Comentários estão fechados.

Veja Também

Faculdade FAVENI chega a região oportunizando cursos superiores e pós graduação com preços acessíveis

Conheça a Faculdade FAVENI. A FAVENI está localizada na cidade de Venda Nova do Imigrante,…