Home Geral Uso inteligente de dados ajuda produtores a colher nova safra recorde de soja no RS

Uso inteligente de dados ajuda produtores a colher nova safra recorde de soja no RS

13 Primeira leitura
Comentários desativados em Uso inteligente de dados ajuda produtores a colher nova safra recorde de soja no RS
0
116
A nova supersafra de soja no Rio Grande do Sul, estimada em 18,7 milhões de toneladas e R$ 21,4 bilhões de impacto direto na economia, contou com um insumo extra nas lavouras: a geração de dados. Na era do big data, sistema inteligente de armazenamento de informações, as possibilidades para ganhos de produtividade foram aceleradas – com uso de assistentes virtuais, sensores, câmeras e mapas georreferenciados. Embora o uso dessas ferramentas ainda não esteja disseminado nas propriedades do Estado, quem prioriza os dados para tomada de decisões garante que não vive mais sem eles – e mostra na prática, e em telas de tablets, os resultados colhidos.

Formado em Ciências da Computação, o produtor Ricardo Tonial, 43 anos, procura aplicar os conhecimentos de sistemas de informação na lida dos 700 hectares cultivados em Passo Fundo, no Norte. A tecnologia sempre fascinou Tonial. Antes de decidir produzir grãos, 17 anos atrás, perambulava de fazenda em fazenda portando um pequeno GPS de bolso – artigo raro na época – medindo as terras de amigos do pai, proprietário de uma cerealista na região.

Hoje, o sinal via satélite – com margem de erro bem menor do que no passado –, somado à automação de máquinas agrícolas, é um dos fatores determinantes para economia de diesel, menos desperdício de produtos, menor perda de plantas e segurança no trabalho, explica o produtor.

Lavoura de Ricardo Tonial foi mapeada por meio de GPS e drone, o que melhorou a eficiência

Há quatro anos, uma empresa goiana fez o mapeamento detalhado das terras para a otimização do plantio. Com o auxílio de um vant – espécie de drone maior –, os profissionais identificaram particularidades do terreno, apontando a melhor forma de plantio em cada hectare. As fotografias de cada uma das áreas foram agrupadas em uma foto mosaico, espécie de colcha de retalhos que disseca a área de produção, dando um cenário detalhado ao produtor.

– Assim, os agrônomos indicam a melhor forma de semear, pulverizar e colher. Eles têm um programa que faz fluxo de enxurrada, por exemplo, e conseguem prever que, se a chuva cair forte em ponto tal, vai se espalhar em determinada área – explica Tonial.

A topografia detalhada também monta um plano de trabalho, transferido para o computador de bordo das máquinas. Isso diminui o esforço de tratores no terreno, resultando em maior economia e menos esmagamento das plantas – especialmente na pulverização. Com uso de sistema de GPS mais preciso – paralelo aos que vêm de fábrica –, as máquinas repetem o caminho com uma margem de erro menor.

– Antigamente, como o processo dependia da habilidade do condutor, o erro humano acabava aumentando a área esmagada – lembra Tonial.

O produtor encerrou a colheita com média de 74 sacas por hectare – 37% a mais do que a projetada para o Estado. Em sua picape 4×4, Tonial ainda leva seu primeiro aparelho GPS e um drone. A ferramenta aérea, na maior parte do tempo, é utilizada pelo agricultor como uma espécie de hobby, mas também auxilia no monitoramento remoto de áreas com acessos mais complicados. O apego à ferramenta fez com que ganhasse o apelido de drone entre os amigos produtores da região.

O big data está baseado em cinco princípios: velocidade, volume, veracidade, variedade e valor. Assim, o algoritmo utiliza uma grande quantidade de informações concretas, coletadas em tempo real e que podem gerar conhecimento e expertise. Mais importante do que o volume de dados gerados na agricultura é o valor dessas informações, pondera José Renato Bouças Farias, chefe-geral da Embrapa Soja:

– A simples captura de dados não garante nada, se o produtor não souber o que fazer com aquilo.

O avanço da agricultura nas últimas décadas sempre se baseou em dados, pondera o pesquisador, a diferença agora é a velocidade e a facilidade com que essas informações são geradas – de maneira simultânea à produção.

– O dado é um insumo, é a matéria-prima da informação – define Farias.

Presidente da Associação dos Produtores de Soja do Estado (Aprosoja-RS), Luis Fernando Fucks destaca que parte do aumento da produtividade da cultura vem do uso de dados. Na última década, o rendimento das lavouras gaúchas de soja cresceu 26% (veja abaixo). Mas alerta que, para o investimento em big data gerar receita à propriedade, é necessário conhecimento técnico e capacidade gerencial maiores.

– O mercado está se profissionalizando, e isso requer uma gestão eficiente do uso de dados, especialmente nas pequenas e médias propriedades, que têm margens menores para investir – resume Fucks.

Algoritmos que levam à inteligência artificial

A partir da geração de dados, é possível criar algoritmos que geram instruções diretas para agricultores e máquinas – na chamada inteligência artificial –, visando o uso otimizado de adubos, sementes e outros insumos. Mas em um mercado onde tudo é muito novo, e empresas disputam espaço para serem as primeiras a oferecer tecnologias inovadoras, há ainda muita desinformação.

– Tem muita gente apenas coletando dados e dizendo que está fazendo inteligência artificial – destaca Jhonata Emerick, presidente da Associação Brasileira de Inteligência Artificial (Abria), que reúne mais de cem startups brasileiras.

Criada em 2017 e reativada neste ano, a entidade busca justamente desmitificar o campo do conhecimento e buscar incentivos para o desenvolvimento de tecnologias nacionais.

– Estados Unidos e China já estão lá na frente quando se fala em inteligência artificial. Para corrermos atrás é preciso incentivo por parte do governo, com linhas de financiamento para pesquisa – diz Emerick.

Segundo o dirigente, a formação de pessoas capacitadas a interpretar a imensidade de informações geradas é um dos principais desafios para o avanço dessas ferramentas na agricultura brasileira, que por muito tempo trabalhou de forma analógica. Outra dificuldade é o fato de muitos equipamentos de diferentes marcas não se comunicarem, com padrões de dados não convergentes.

De olho nas oportunidades desse mercado, há dois anos a multinacional IBM Brasil começou a firmar parcerias com fabricantes de equipamentos agrícolas. Por meio da captura e análise de informações, a empresa de tecnologia criou softwares para atuar na previsão de problemas em diversas etapas da produção.

– Os dados estão aí para serem processados e interpretados de forma inteligente e, assim, afastar fatores de risco – afirma Percival Lucena, cientista de pesquisa em Blockchain na IBM Brasil.

Um dos assistentes virtuais mais conhecidos da empresa é o IBM Watson, treinado para resolver diferentes dificuldades. No caso da agricultura, é capaz de analisar grandes quantidades de dados, como temperatura, pH do solo e outros fatores ambientais e agrícolas – oferecendo aos produtores informações precisas para a melhor tomada de decisão.

– Certamente, os dados são uma nova fronteira a ser aberta – afirma o pesquisador da IBM Brasil.

O post Uso inteligente de dados ajuda produtores a colher nova safra recorde de soja no RS apareceu primeiro em RS Agora.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Silmar Luiz Biscaro
Carregar mais por Geral
Comentários estão fechados.

Veja Também

Faculdade FAVENI chega a região oportunizando cursos superiores e pós graduação com preços acessíveis

Conheça a Faculdade FAVENI. A FAVENI está localizada na cidade de Venda Nova do Imigrante,…